quarta-feira, 7 de julho de 2010

Das cinzas renasce o fogo


Queimou os dias
com a acidez das lágrimas
que foram escorrendo pela sua face
foi perdendo a força
a alegria de viver

Questionava o mundo e as coisas
sem nunca ter respostas
até hoje
foi juntando as cinzas
numa caixa de tempo
quando se apercebeu
da caixa vinha uma luz
bela e quente
aproximou-se mais
até que a caixa se abriu
as cinzas tinham se transformado
e ardiam com uma chama
que apesar de quente
ela não teve receio de tocar
das cinzas tinha vindo
para as cinzas voltou sem medo
no momento em que lhe tocou
o tempo inverteu-se
o tempo que se esgotava
estava a crescer novamente

Lembrava-se do tempo
o tempo que tanto ele lhe falava
fechou os olhos
e teve a certeza
que o tempo que lhe fora roubado
nunca se perdeu
esteve sempre com ela

Renasceu o fogo e ardeu
a partir desse momento
o tempo era só dela
a chama está bem viva
nunca morreu
as cinzas nunca foram cinzas
eram lágrimas de vida

A chama irá arder
o tempo que for preciso
até o dito voltar a ser escrito
e a mentira voltar
a ser uma verdade
incontestável...

2 comentários:

ci disse...

cego é apenas aquele que se deixa cegar pelas sombras...

Manuel disse...

Gostei desta leitura.