domingo, 27 de junho de 2010

O veneno...



Como fui ridícula
em acreditar que me amavas
como fui ridicula em sofrer
por um amor
que era apenas meu
Como sou ridicula em esperar
que o ser "doce" que eu sempre amei volte
e apague esse ego egocêntrico e egoista
que me mata e queima com o silêncio
Fomos um só tantas vezes
não entendo,
nunca vou entender
Podes destilar
todo o veveno do mundo
sobre mim...
Mas nem isso
me fará deixar de te amar
porque tu não controlas
os meus sentimentos,
nem tão pouco os teus...
vives na mais pura ilusão...

1 comentário:

Octávio Gordo disse...

humm... este poema lembra-me o meu actual estado de espirito, parabéns gosto muito do que escreves.