sábado, 13 de novembro de 2010

Ponto (in) finito

Num ontem
de um tempo apressado
no limite da entrega
dois pontos se cruzaram
da base de sentimentos
frescos, leves
nasceu uma linha única
irregular, curva
que deslizou evitando
obstáculos imprevistos
lentamente deixou rasto
de poeira de sonho

A distância percorrida
foi aumentando
a linha foi enfraquecendo
as bases desaparecendo
apenas um dos pontos
se manteve imóvel
apenas um dos dois
acreditava, existia

De dois pontos
nasceu tudo
sem o preverem
num ponto (in) finito
perdeu-se tudo
sem o travarem

Na linha desse sentir
o querer insiste
o querer persiste
no ponto do limite
da uma boca
no reencontrar sem limite
do céu
de dois olhares


2 comentários:

lobices disse...

...eu gosto, gosto de repetir, repetir palavras, palavras repetidas, tantas quantas vezes me apetecer repetir, repetir vezes sem conta, não perdendo sentindo, ganhando sentido, na repetição, na adição, na multiplicação das palavras, palavras que leio, palavras que escrevo e repito escrevendo palavras repetidas, repetindo os sentidos, ousando repetir, significando vezes sem conta o mesmo sentido, palavras ditas, lidas, relidas, palavras amadas, sejam elas quais forem, palavras benditas, malditas, escritas ou mal escritas, lidas, relidas, ouvidas, soltas, pronunciadas, sentidas, palavras, somente palavras, sempre palavras, lidas, ouvidas, relidas, sentidas, amando palavras, brotando palavras, parindo palavras, fazendo-as ver a luz do dia e o negro da noite, quando a escrevo... Tenho sempre um bom parto quando dou à Luz uma palavra: Porque amo a palavra que pari...

ci disse...

É sempre bem vindo.

Beijo da Ci...