sexta-feira, 8 de outubro de 2010

(Im)perfeição

Navegou num mar
com a foz numa boca
de mel
afogou-se num corpo
de pele de seda
num suave
suave amar

perdeu-se
num ser
que lhe despertou
o instinto
o sabor
do amor
adormecido
mas nunca esquecido

perder-se-ia vezes
sem conta
num tempo
de compassos musicais
num adormecer
e eterno acordar
no perfeito sorriso
de um terno olhar

o (teu) olhar

3 comentários:

Virgínia do Carmo disse...

Há olhares que permanecem para sempre...

Beijinho Ci

ci disse...

uns sim, outros apenas merecem ser apagados, porque esquece-los não é suficiente...

beijo da ci

Mega disse...

No dia da descoberta destas palavras detive-me nas palavras publicadas no meu dia.
E estas palavras trouxeram à mente memórias à muito guardadas e não recordadas.`
É bom recordar, obrigado
Baci